18/05/2020
SANEAMENTO

Mais de 65 mil adoecem por falta de serviços

Segundo levantamento da Associação Brasileira das Concessionárias Privadas de Serviços Públicos de Água e Esgoto (Abcon), o Brasil registrou 65.649 internações no SUS no primeiro bimestre de 2020 por causa de doenças provocadas pela falta de saneamento. Os dados têm como base informações atualizadas do Datasus. 

Os leitos ocupados por pacientes com doenças provocadas pela ausência de saneamento poderiam ser destinados ao tratamento de pacientes de COVID-19. A Abcon comenta que são doenças que já deveriam estar erradicadas, caso o Brasil tivesse os serviços de água e esgoto universalizados. Entre as doenças estão diarreia, gastroenterite, amebíase e outras infecciosas intestinais, além de dengue clássica e outras enfermidades. 

Além de garantir melhores condições de saúde pública, o saneamento possui enorme potencial para alavancar a retomada econômica pós-pandemia. Um estudo da consultoria KPMG realizado para a ABCON estima que o investimento necessário para universalizar os serviços do setor em 12 anos é de R$ 750 bilhões, com forte impacto na atividade econômica e criação de emprego em regiões que necessitam de postos de trabalho. 

Está em tramitação no Senado o PL 4162, já aprovado na Câmara dos Deputados, que propõe um marco legal para o setor de saneamento e contribuiria para destravar os investimentos na área. 

A Abcon afirma ainda que, diferentemente de outros setores, o saneamento, em termos pragmáticos, não sofrerá mudança estrutural por causa da pandemia, já que contratos de cerca de 30 anos mantêm o potencial de retorno.

Veja também