02/06/2020
IGUÁ SANEAMENTO

Lucro líquido de R$ 10 milhões no trimestre

A Iguá registrou lucro líquido de R$ 10,788 milhões no primeiro trimestre de 2020, um aumento de 148,1% na comparação com o mesmo trimestre do ano passado. O resultado reflete a evolução do desempenho operacional da empresa, que teve aumento no volume faturado de água e esgoto, elevação no controle de perdas e redução em custos e despesas. “A disseminação do novo coronavírus teve um impacto na rotina das pessoas a partir da segunda quinzena de março. Vínhamos de uma expansão no número de ligações de água e esgoto, especialmente no Mato Grosso, e de ganhos de eficiência. Assim que as restrições de circulação aumentaram, adaptamos as nossas operações para garantir o atendimento à distância, reforçamos o diálogo com os clientes e mantivemos ativas nossas equipes em campo. Essas medidas de gestão, aliadas à importância fundamental do saneamento para a saúde das famílias, vêm tornando a companhia resiliente na crise”, explica Gustavo Guimarães, presidente da Iguá Saneamento.

O Ebitda ajustado da companhia atingiu R$ 58,6 milhões entre janeiro e março, um crescimento de 8,9% em relação aos mesmos três meses de 2019. Desconsiderados outros efeitos ocasionados pela aplicação de normas do IFRS e com a consolidação integral das empresas do grupo que possuem acionista minoritário ou controle compartilhado, o Ebitda alcançou R$ 73,5 milhões, uma alta de 15,5% na comparação anual. A receita operacional líquida da Iguá atingiu R$ 205 milhões no período, ante R$ 215,8 milhões verificados nos três primeiros meses de 2019. A receita de saneamento e outros serviços, principal escopo das operações do grupo, cresceu 25% na comparação anual, somando R$ 155,4 milhões. Os investimentos realizados pela companhia no trimestre representaram um montante de R$ 52,0 milhões.

Os custos e despesas totais da Iguá totalizaram R$ 15,5 milhões de janeiro a março, uma variação negativa de 9,6% em relação a igual trimestre de 2019.

A Iguá manteve seu perfil de endividamento no longo prazo, sendo que 83% das suas dívidas tem vencimento superior a um ano. No primeiro trimestre, a dívida bruta da empresa, em R$ 1,261 bilhão, caiu 5,7% no comparativo anual.

Com 18 operações, a companhia atende mais de seis milhões de pessoas no País. O volume total faturado de água aumentou 3,9%, atingindo a marca de 20,7 mil m3, enquanto o volume faturado de esgoto cresceu 13,9%, passando de 8,6 mil m3 entre janeiro e março de 2019 para 9,9 mil m3 no mesmo período deste ano. Além disso, com a implementação de projetos de controle de perdas, o índice de água não faturada recuou para 39,9%. Outro destaque é a queda na inadimplência de 0,4% no comparativo entre os primeiros meses de 2019 e de 2020: passou de 5,4% para 5,0%. “A Iguá tem como meta facilitar, agilizar e proporcionar aos seus clientes formas diferenciadas de quitar suas pendências. Esses percentuais, que merecem total atenção, especialmente neste momento de crise, mostram que estamos no caminho certo, com resultados eficazes”, diz Felipe Fingerl, diretor Financeiro e Relações com Investidores da Iguá.

Veja também

13/07/2020
MARCO DO SANEAMENTO | Entidades pedem retirada do artigo 20
13/07/2020
SANEAMENTO | Leilão da Cedae pode ficar para 2021
06/07/2020
ARTIGO | Um novo marco para o Brasil
06/07/2020
MARCO REGULATÓRIO | ANA promete parceria com agências subnacionais
06/07/2020
ABASTECIMENTO | BRK Ambiental conclui obra em Limeira