20/07/2020
COVID-19

Espanha monitora vírus em rede de esgoto

Com a constatação de que o vírus da COVID-19 é eliminado nas fezes dos pacientes infectados, uma equipe de especialistas da Universidade de Barcelona, liderada pelo Dr. Albert Bosch, em parceria com a Suez - companhia que administra as redes de água e esgoto das regiões da Catalunha, Múrcia e Valência - desenvolveu uma solução denominada COVID-19 City Sentinel. 

A solução monitora águas residuais e quantifica a presença do vírus SARS-CoV-2. Uma ferramenta que combina um plano de amostragem adaptado, análise rápida de RT-qPCR e acesso a um observatório digital já está implementada e em operação nestas regiões para monitorar a evolução do vírus nas águas residuais e antecipar o surgimento de possíveis novos surtos na população. Por meio deste sistema de vigilância, será possível monitorar ainda mais localidades no território espanhol já em um curto espaço de tempo. 

Essa plataforma permite ao gestor público visualizar graficamente os dados, por meio de um mapa dinâmico do município, com uma setorização por áreas de influência que facilita o rastreamento da origem do SARS-CoV-2, além de servir como um observatório único de informações agregadas, combinando os resultados analíticos com os indicadores de evolução da saúde no município. Também permite que as administrações públicas e de saúde prestem mais atenção a instalações e edifícios críticos e de alto risco, como residências, hospitais ou centros de saúde, bem como a edifícios exclusivos com alta ocupação. A Suez disponibiliza a experiência e o conhecimento das redes de esgoto para setorizar o município em áreas de influência que ajudam a rastrear a origem do SARS-CoV-2 quando é detectado. 

"A vigilância do SARS-CoV-2 no esgoto doméstico pode permitir-nos avançar para os casos de COVID-19 no intuito de adotar medidas efetivas imediatas contra uma possível nova onda de infecções", explica o Dr. Albert Bosch. "A Suez disponibiliza aos gestores públicos e à rede de negócios o observatório digital SARS-CoV-2 mais relevante sobre águas residuais, combinando seu conhecimento em operações avançadas de rede e em técnicas de detecção rápida de patógenos, com dados e anos de experiência em vigilância epidemiológica", destaca o CEO da Suez Espanha, Manuel Cermerón.

Segundo Federico Lagreca, diretor comercial da Suez para o Brasil, seria perfeitamente possível a implantação operacional dessa tecnologia. No entanto, o maior entrave ainda é o mais básico: onde a epidemia mais avança é nos locais onde há mais carência de saneamento. "Este é mais um exemplo do quanto o saneamento básico é fundamental como um elemento estruturante de saúde pública. Se tivéssemos no Brasil um acesso universalizado como nos países mais desenvolvidos, seria possível monitorar a partir de agora o surgimento de novas ondas, e mais, indicando por meio das redes o local onde o surto está iniciando", diz Lagreca.